O Laboratório Alvaro está de cara nova!

Deseja tornar este perfil sua página inicial quando acessá-lo novamente?

X

Atendimento ao Cliente:

Menu de Exames

17-BETA ESTRADIOL - saliva

A A

O Laboratório Alvaro oferece mais de 1400 tipos de exames de prevenção e tratamento. Consulte abaixo todas as informações e orientações para cada tipo.

  • Código: ESTRASALI
  • Material: saliva
  • Sinônimo: 17-BETA ESTRADIOL - saliva
  • Volume: 1,0 mL
  • Método: Enzimaimunoensaio
  • Volume Lab.: 1,0 mL
  • Rotina: Diária
  • Resultado: 25 dia(s)
  • Temperatura: Congelado
  • Coleta: Por um período de 30 minutos antes da coleta não é permitido qualquer tipo de alimentação ou bebida. Evitar escovar os dentes pelo menos duas horas antes da coleta para evitar sangramento gengival. Solicitar ao paciente que deixe a boca acumular saliva, eliminando-a no frasco de coleta estéril. Enviar no mínimo 1,0 mL de amostra em tubo de transporte, acondicionado congelado.
  • Código SUS:
  • Código CBHPM: 4.03.16.24-6

Interpretação

  • O estradiol é o estrogênio mais potente, produzido principalmente pelos ovários e em menor quantidade pelas adrenais e testículos. Nos homens, a maior parte é derivada da conversão periférica de testosterona. Indicações: É utilizado na avaliação da puberdade precoce, hipogonadismo e fertilidade em ambos os sexos. Na mulher, também na avaliação da função ovariana e no acompanhamento de reprodução assistida. Na avaliação da puberdade precoce, é utilizado como exame inicial nas meninas, junto com o LH basal. Interpretação clínica: Está baixo no hipogonadismo, podendo haver superposição com os valores normais e a dosagem das gonadotrofinas é que irá fazer o diagnóstico diferencial. Diminui para níveis muito baixos ou indosáveis na menopausa. Com a reposição hormonal, volta a se elevar caso esta seja feita com 17-beta-estradiol, mas não com outros compostos que não fazem reação cruzada com E2. No homem, dependendo da causa do hipogonadismo, pode estar normal ou até elevado se houver aumento de aromatização de androgênios. Na puberdade precoce central, mostra-se elevado, mas tem baixa sensibilidade em discriminar entre o início de puberdade e níveis pré-puberais. Por outro lado, nos cistos ovarianos e nos tumores produtores de estrogênio, os níveis costumam ser elevados, acima de 100 pg/mL. Outras causas de aumento de E2 são tumores produtores de gonadotrofinas, tumores adrenais produtores de estrogênios, tumores testiculares e síndromes feminilizantes. Sugestão de leitura complementar: Fischbach FT, Dunning MB III, editors. Manual of Laboratory and Diagnostic Tests. 8th ed. Philadelphia: Lippincott Williams and Wilkins; 2009. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Puberdade precoce. Portaria SAS/MS no 110, de 10 de março de 2010. (Republicada em 12.05.10).

Referência

  • Homens:
  • 18 - 75 Anos: 0,6 a 3,1 pg/mL
  • Mulheres:
  • 19 - 50 Anos: 0,6 a 6,3 pg/mL
  • 51 - 75 Anos: 0,6 a 3,1 pg/mL (pós-menopausa)
  • Fonte: Bula do fabricante